19/12/2019 às 07h56min - Atualizada em 19/12/2019 às 07h56min

Historicamente não há registro de falecimento de militares durante ocorrência em MS

Em entrevista exclusiva ao jornal "O Pantaneiro", o comandante Souza Neto relembra a personalidade do soldado Jocimar

O Pantaneiro
O Pantaneiro
"Historicamente, até o momento, não há registros de óbito de militares durante serviço em Mato Grosso do Sul", apontou o Tenente Souza Neto, Comandante do Corpo de Bombeiros de Sidrolândia.

Com essa frase, o comandante que concedeu entrevista exclusiva ao Jornal O Pantaneiro, pontuou alguns adjetivos referentes ao soldado Jocimar Carlos de Oliveira, 36 anos, que faleceu na última segunda-feira (16), enquanto ia cobrir uma ocorrência num assentamento entre Sidrolândia e Maracajú.

“Sempre foi um militar muito dedicado, responsável, harmônico no quartel. Estava iniciante na carreira, com apenas cinco anos de serviço”, disse o comandante sobre o colega de trabalho. 

Jocimar morava em Anastácio e já tinha servido o Exército Brasileiro na região de Aquidauana. Todos os dias ele se deslocava até Sidrolândia para trabalhar e sonhava em poder ser transferido para o Corpo de Bombeiros de Aquidauana e região, para poder servir, mas devido à vagas, ainda não tinha conseguido.

Ainda de acordo com o comandante, Jocimar irá receber as condolências necessárias e de direito dos militares pós-morte que são: graduação de Sargento – ele irá se aposentar como sargento e a família receberá todo o benefício para os filhos. “O que o Corpo de Bombeiros puder fazer para apoiar a família de Jocimar e, também a do soldado Pontes iremos fazer”, conluiu.

O soldado Pontes, que sofreu o acidente junto de Jocimar, irá ficar afastado por 30 dias da corporação para poder se recuperar do trauma sofrido. O comandante Souza Neto garantiu apoio psicológico para ele e todos os familiares também.

O acidente

A ocorrência que vitimou o militar do 18 SGBM Independente de Sidrolândia aconteceu na segunda-feira (16) por volta das 15h30, onde a guarnição da viatura UR66 composta pelos soldado Jucimar e soldado Pontes estava em deslocamento ate o assentamento entre as cidades de Sidrolândia e Maracaju. 

Ao chegar na entrada do assentamento, na rodovia MS-162, eles foram para o acostamento e quanto iniciaram a conversão, sentido contrário em que estavam, uma carreta de tanque de combustível da cidade de Dourados veio a colidir na lateral da viatura, acertando a parte do motorista, capotando a mesma por cerca de 20 metros de distancia.

No local, o primeiro atendimento foi feito por um soldado que estava de folga e que tem pais que moram próximo ao assentamento, o Soldado Jhonatam, de Maracaju que estava passando no local, inclusive foi ele quem fez o primeiro contato com o Corpo de Bombeiros de Sidrolândia.

No momento estava passando uma ambulância de Maracaju, que transportou o soldado Pontes até Sidrolândia. Já soldado Jocimar já se encontrava nas ferragens em óbito sem sinais vitais.

“Assim que recebi o telefonema, desloquei até o local do acidente, onde solicitei o apoio de uma viatura de Campo Grande – UR100 que se deslocou até Sidrolândia para fazer o transporte do Soldado Pontes para o Hospital da Cassems, em Campo Grande. Acionei o Comandante Metropolitano de Bombeiros, avisando do acidente; no local já se encontrava a Polícia Rodoviária Estadual, uma equipe do Corpo de Bombeiros de Maracaju, uma equipe do Corpo de Bombeiros de Sidrolândia e aguardamos a perícia, que chegou por volta das 20h”, narrou o comandante Souza Neto.

Logo após a perícia realizar os trabalhos de praxe e coletar todas as informações, foi possível retirar o corpo de Jocimar das ferragens e encaminhar ao Imol em Campo Grande. De acordo com o entrevistado, o corpo só foi retirado às 22h de segunda e liberado às 09 horas da terça-feira (17), onde foi deslocado pela Pax Universal da Capital até Anastácio.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »